Casablanca Sessão Seis e Meia A volta da turma da Vila Operária

Casablanca Sessão Seis e Meia
A volta da turma da Vila Operária


Itamar Correia, Renato Castelo, Marly Prates, Marrom Fernandes sobrem ao palco, nesta quarta-feira, 28 de agosto, com um repertório musical eclético, inventivo e multifacetado

Renato Castelo



Renato Dias
Imagine um espetáculo com o cancioneiro de protesto Itamar Correia, autor de ‘Araguaia Meu Brasil’? Ícone da resistência à ditadura civil e militar. Renato Castelo, cantor e compositor, do Hino ‘Vila Operária’. Mais: Marly Prates, a estrela, com voz aveludada, que inunda o mercado do entretenimento. Do Centro-Oeste. Assim como Marrom Fernandes. Um time do primeiro escalão. Da Música Popular Brasileira, de linhagem universal, produzida nas Terras Goyazes. Os artistas se apresentam nesta quarta-feira, 28 de agosto de 2019, no Empório Casablanca. É o projeto ‘Casablanca

Marly Prates

Sessão Seis e Meia’. Horário: 18h30. Atrás da Vila Cultural Cora Coralina.É a retomada da Vila Operária. No tradicional Centro Histórico da Capital fundada por Pedro Ludovico Teixeira. Cidade inspirada na Art Déco. Com Atíllio Correia Lima.
Repertório inventivo
O anúncio é de Itamar Correia. Com um repertório inventivo, multifacetado, dançante. MPB, samba, rock, pop, jazz, blues, avisa ele. O melhor da produção estética feita em Goiânia, explica, com exclusividade, o produtor e divulgador. O dia 28 de agosto de 2019 é uma data simbólica, informa. Histórica, diz. Quarenta anos depois da sanção da Lei da Anistia, atira. Pelo presidente da República, em 28 de agosto de 1979, o general João Baptista de Oliveira Figueiredo, narra. O último da ditadura civil e militar, fuzila. Uma noite que durou exatos 21 anos e que ameaça o Tempo Presente. Entrada para o show no Empório Casablanca é gratuita